Jornalistas detidos por mostrar estragos do Tufão Pakhar em Macau

Exército sai às ruas para socorrer população em Macau
Cinco mortos, 153 feridos e muita destruição na região.
Jornalistas foram impedidos de entrar em Macau para cobrir – fotografar – a devastação que a passagem do Tufão Pakhar causou naquele território chinês, próximo a Hong Kong, com cinco mortos, 153 feridos e muita destruição.
Foi uma violência contra a liberdade de expressão, pelo Governo daquela região, que ordenou que os jornalistas fossem detidos, acusados de colocar em “risco a estabilidade e segurança interna” do território. Associações de jornalistas de Macau e Hong Kong denunciam a proibição da entrada em Macau de profissionais de imprensa.
Ventos fortes provocaram estragos em Macau
A denúncia também é feita pelo jornal South China Morning Post, quando o seu repórter fotográfico, Felix Wong, acabou sendo detido pelas autoridades locais ao entrar na área devastada pelo furacão para captar imagens.

Os serviços de imigração de Macau entregaram uma intimação a Wong, dizendo que ele “coloca em risco a estabilidade e segurança interna” do território, relata o artigo do South China Morning Post. Além de Wong, outros repórteres estrangeiros foram objeto de notificações semelhantes.

Ruas comerciais prejudicadas pelo tufão
A associação de Jornalistas de Macau classificou a detenção de colegas por ameaça à segurança interna do território de “absolutamente ridícula”. Os três jornalistas de Hong Kong foram detidos neste sábado, dia em Macau estava em alerta devido à aproximação do tufão Pakhar.
Carros foram arrastados pelas águas
A Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM), num comunicado divulgado neste domingo na sua página do Facebook,  repudia a truculência contra a liberdade de impressa:
Momento desesperador desse morador durante passagem do tufáo
“Lamentamos profundamente a decisão das autoridades da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) de recusar a entrada na região de repórteres para o cumprimento da missão de informar”
 “Consideramos incompreensíveis e insatisfatórias as justificações dadas pelas autoridades locais para a decisão e alerta que esta atitude, tal como outras semelhantes no passado, prejudicam a liberdade de imprensa”.
Walther Alvarenga

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.