Desafio: Brasileira da à luz durante tragédia do furacão na Flórida.

Caroline Calegari, o pai Edio Colombo e a filha Marina passam bem.
Caroline Calegari sentiu fortes contrações e Marina nasceu saudável
Em meio a tantas tragédias provocadas com a passagem do furacão Irma, que causou mortes, deixou pessoas desabrigadas e levou pânico, um fator positivo ocorreu para celebrar a vida diante do caos. No domingo, a brasileira catarinense, Caroline Calegari Sartor, deu à luz a uma menina, em Deerfield Beach, na Flórida.
Caroline, natural da cidade Criciúma, estava em casa de amigos no domingo, quando sentiu fortes contrações, no exato momento da chegada do furacão na Flórida. Ela estava na companhia do noivo, Edio Colombo Júnior. Foi acionada uma ambulância que saiu às ruas da cidade desafiando o perigo iminente, enfrentando vento forte e tempestade, rumo ao West Boca Medical Center.
A filha do casal, com nome de Marina, nasceu assim que Caroline foi atendida no hospital. O bebê pesa três quilos e passa muito bem. Os pais de Caroline, que estão nos EUA, acompanham a filha, que já teve alta e está em casa.
Como tudo aconteceu?  Segundo relatou o pai da bebê, Júnior, no exato momento do período mais forte do furação Irma na Flórida, por volta das 16 horas do domingo, “entramos em contato com o resgate para poder nos auxiliar, nem que fosse um parto em casa mesmo”, lembra o jovem.
“Eles foram nos auxiliando por telefone, mas dizendo que não podiam vir pois era muito perigoso, ninguém poderia sair naquele momento. Passou um tempo e eles apareceram na porta, foi uma coisa muito emocionante para a gente”, relata.
Disse o rapaz que os paramédicos fizeram os primeiros procedimentos do parto na casa onde estava o casal. “O caminhão tinha toda aparelhagem se precisasse fazer o parto ali, mas como estava com muitas contrações, ela foi levada para o hospital mais próximo”.  
“Deu tudo certo, atendimento perfeito, mas nesse meio tempo pegamos estrada, muito vento, árvores no chão, a gente nunca imaginava que poderia passar por esse tipo de coisa, que a Marina ia nascer no meio do furacão”, diz emocionado.

Walther Alvarenga 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.