Ataque aéreo de Israel a Gaza, no "dia de raiva" declarado pelo grupo Hamas.

Israel ataca Gaza em dia de conflitos na revolta de judeus
Dois mortos no “dia da raiva", declarado pelo grupo islâmico Hamas.
Dia de fúria desencadeia ataques. Israel lançou novos ataques aéreos na Faixa de Gaza, matando dois homens armados, como resposta ao "dia da raiva", declarado pelo grupo islâmico Hamas.
Militantes dispararam pelo menos três foguetes para cidades israelenses de Gaza durante os protestos que foram realizados depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, formalmente reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

"Dia de raiva" mobiliza exército israelense
O exército de Israel disse em um comunicado: "A aeronave IAF (Força Aérea israelense) visou quatro instalações pertencentes à organização terrorista do Hamas na Faixa de Gaza: dois locais de fabricação de armas, um armazém de armas, um complexo militar".
Uma fonte do Hamas confirmou que os dois homens mortos nas greves pertenciam ao grupo que exortou os palestinos a manter o confronto com as forças israelenses.
Palestinos revidam e não aceitam decisão de Trump
Dois outros palestinos foram mortos e pontuações feridas nesta sexta-feira durante confrontos com tropas israelenses na fronteira de Gaza e Cisjordânia.
Em todo o mundo árabe e muçulmano, milhares de manifestantes saíram as ruas no dia sagrado dos muçulmanos para expressar solidariedade aos palestinos e indignação com a reviravolta de Trump de décadas de política dos EUA com o Hamas pedindo um " dia de raiva”.

Enfrentamentos provocam mortes e a ira dos judeus
O pronunciamento de Trump na quarta-feira enfureceu o mundo árabe e irritou os aliados ocidentais.
O status de Jerusalém foi um dos maiores obstáculos para um acordo de paz entre Israel e os palestinos por gerações.
Israel considera que toda Jerusalém é sua capital. Os palestinos querem a parte oriental da cidade como a capital de um futuro estado independente.
Gaza destruída com ataques aéreos de Israel
A maioria dos países considera Jerusalém Oriental, que Israel anexou depois de capturá-lo na Guerra do Oriente Médio de 1967, para ser território ocupado.
Inclui a Cidade Velha de Jerusalém, lar de locais considerados sagrados para muçulmanos, judeus e cristãos.
Protestos deixam feridos em Gaza
Durante décadas, Washington, juntamente com a maioria do resto da comunidade internacional, impediu o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, dizendo que seu status deveria ser determinado como parte do processo de paz palestino-israelense.
A administração do Trump argumenta que o processo de paz tornou-se moribundo, e as políticas desatualizadas precisam ser descartadas para que os lados do conflito façam progresso.

Trump também disse que cumpriria sua promessa de campanha e começaria o processo de mover a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, onde nenhum outro país tem uma embaixada.


Walther Alvarenga

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.