Discurso de Trump provoca fúria mundial: "Declaração de Guerra”.

Donald Trump oficializa Jerusalém como Capital de Israel

Fala de Trump na Casa Branca agrada as autoridades em Israel

Foi um discurso inflamado, determinado. Donald Trump anunciou oficialmente que os EUA reconhecerão Jerusalém como a capital de Israel em uma "declaração de guerra” em meio à fúria global sobre o anúncio controverso.

Falando nesta quarta-feira na Casa Branca, o presidente dos EUA disse que seu anúncio não é mais do que um "reconhecimento da realidade e o que é certo, algo que tem que ser feito".

Ele anunciou que os EUA reconhecerão Jerusalém como a capital de Israel depois de dias de especulação. E ele incumbiu o Departamento de Estado para procurar local para Embaixada dos EUA em Jerusalém – atualmente em Tel Aviv. Um processo que deverá levar anos.

Pronunciamento de Trump causa revolta entre líderes do Oriente Médio
Trump também disse em seu pronunciamento que continuará profundamente empenhado em ajudar a facilitar um acordo de paz aceitável tanto para israelenses quanto para palestinos.

Acrescentou que, "os Estados Unidos apoiam uma solução de dois estados se acordado por ambos os lados".

O sindicato tunisino da União Soviética (UGTT), declarou o pronunciamento de Trump como uma "declaração de guerra", incitando protestos em massa no Oriente Médio.

EUA reconhecem Jerusalém como Capital de Israel
O grupo islâmico militante também advertiu que a decisão do presidente Trump "abrirá as portas do inferno" sobre os interesses dos EUA no Oriente Médio.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia também condenou a decisão como "irresponsável" e pediu a Washington para reconsiderar a mudança.

Várias centenas de manifestantes reuniram-se fora do consulado dos EUA em Istambul, levando moedas e outros objetos, enquanto centenas de outros brandiam bandeiras turcas durante outra manifestação na Mesquita Fatih em Istambul, Turquia.

O ministro das Relações Exteriores disse em um comunicado: "Condenamos a afirmação irresponsável da administração dos EUA, declarando que reconhece Jerusalém como a capital de Israel e que irá mover a embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém”.

"Solicitamos à administração dos EUA que reconsidere essa decisão errada que possa gerar resultados altamente negativos e evitar etapas não calculadas que prejudiquem a identidade multicultural e o status histórico de Jerusalém".
O ministro dos Negócios Estrangeiros de Qatar descreveu a decisão como uma "escalada perigosa e uma sentença de morte para todos os que procuram a paz".

A Jordânia acusou o presidente dos EUA de violar o direito internacional sobre Jerusalém, enquanto o Irã disse que "condena seriamente" a decisão de Washington de mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv.

Palestinos acompanharam atentos fala de Donald Trump
Tópicos do discurso de Trump - Falando na Casa Branca nesta quarta, Trump disse que o mundo não está mais próximo de um acordo de paz duradouro na região - acrescentando que reconhecer Jerusalém como a capital israelense é "no melhor interesse dos EUA e a busca da paz entre Israel e os palestinos".

"Jerusalém é o coração de três grandes religiões, mas também o coração de uma das democracias mais bem sucedidas do mundo”.

"O povo israelense construiu um país onde pessoas de todas as religiões são livres para viver e adorar de acordo com suas crenças”.

"Jerusalém é hoje e deve permanecer um lugar onde os judeus rezam, onde os cristãos caminham e onde os muçulmanos adoram".

Trump chamou sua decisão de um passo "há muito atrasado" para avançar o processo de paz e acrescentou:

"Eu determinei que é hora de reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel. Enquanto os presidentes anteriores fizeram uma grande promessa de campanha, eles falharam para entregar. Hoje, estou entregando".

O ministro israelense Bennett foi o primeiro a reagir ao discurso do senhor Trump, dizendo sobre o anúncio: "Obrigado Presidente dos EUA, hoje é um dia brilhante para o povo judeu".

E o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, também deu sua reação ao discurso de Donald Trump, saudando o anúncio como um "marco histórico".

As bandeiras israelenses e americanas foram projetadas em uma parte das muralhas que cercam a Cidade Velha de Jerusalém antes do anúncio.

Mas o movimento é uma ruptura chocante com a política estabelecida dos EUA e foi descrito como o "beijo da morte" para uma solução de dois estados pelas autoridades palestinas. 

O status de Jerusalém tem sido uma pedra de tropeço em décadas de esforços de paz entre israelenses e palestinos.

Israel considera a cidade como uma capital eterna e indivisível e quer todas as embaixadas baseadas lá.

Os palestinos querem que a capital de um estado palestino independente esteja no setor oriental da cidade, que Israel capturou na guerra de 1967 no Oriente Médio e anexada em um movimento nunca reconhecido internacionalmente.

Antes de sua aparição na imprensa nesta tarde, Donald Trump foi bombardeado com advertências de aliados ocidentais e árabes que alegaram que o anúncio poderia potencialmente ameaçar a estabilidade regional em uma área já conflitada.

Após o discurso, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse que não havia alternativa para uma solução de dois estados entre Israel e os palestinos e que Jerusalém era uma questão de status final que deveria ser resolvida através de negociações diretas.

Walther Alvarenga



Um comentário:

  1. Pois é : eu vivi a guerra de 1967, a distância, aqui no Brasil, com meus / minhas patrícios / patrícias. Talvez a fala de Antonio Guterrez seja a mais apropriada para a imprensa, contudo, quem viveu como eu e conhece a História, coloca em figura o que diz meu ex-colega Feuerwerker: Talvez a ONU devesse reabrir o debate sobre todas as fronteiras no planeta decorrentes de realidades no campo de batalha. Incluindo as terras brasileiras a oeste de Tordesilhas.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.