Rússia avisa EUA: combaterá fogo com fogo caso Trump ataque a Síria.

Vladimir Putin manda aviso sombrio aos EUA

Ataque de gás venenoso a civis na Síria irrita Donald Trump
Rússia reage com veemência às declarações do Presidente Donald Trump, que promete de atacar a Síria, após a população daquele país ser alvejada com gás venenoso. O enviado do Presidente Vladimir Putin, Alexander Zasypkin,  prometeu que a Rússia vai retaliar se Trump ordenar um ataque com míssil dos EUA contra a Síria, enquanto o embaixador lança um aviso de que os locais de lançamento dos EUA serão bombardeados.
O embaixador da Rússia no Líbano disse que qualquer míssil americano disparado contra a Síria será derrubado e os locais de lançamento serão alvejados.
Donald Trump disse que Rússia, Síria ou Irã serão responsabilizados
Alexander Zasypkin, nos comentários transmitidos nesta terça-feira à noite, disse estar se referindo a uma declaração do presidente russo, Vladimir Putin, e do chefe de gabinete russo.
"Se houver uma intervenção dos americanos na Síria, os mísseis serão abatidos e até mesmo as fontes de onde os mísseis foram disparados".
Ataque de gás venenoso a civis na Síria foi letal
Seus comentários vieram depois que Donald Trump ameaçou uma ação militar iminente contra a Síria e a Rússia pelo ataque de gás venenoso "atroz" que matou pelo menos 60 civis em Douma, perto de Damasco.
O presidente dos EUA disse que os chefes militares ainda estavam investigando quem era o responsável.
“Tomaremos essa decisão muito rapidamente, provavelmente até o final do dia. Não podemos permitir atrocidades como essa. Nada está fora da mesa”, advertiu Trump.
Falando na Casa Branca, Trump disse que Putin "pode" assumir a responsabilidade, "e se ele for, vai ser muito difícil. Todo mundo vai pagar um preço. Ele vai. Todo mundo vai. Se é a Rússia, se é a Síria, se é o Irã, se é todos eles, vamos descobrir ”, ameaçou o presidente.
Apoiadores da Síria - A Rússia e o Irã são os principais apoiadores do ditador sírio Bashar al-Assad, da Síria, cuja implacável guerra de sete anos contra seu próprio povo é apoiada por aviões de guerra russos.
A assustadora advertência de Trump à Síria e à Rússia foi repetida pelo analista sênior de segurança nacional da Fox News, Walid Phares. “Bem, os russos são hoje mais fortes na Síria do que há um ano e, certamente, seis anos atrás". 
"Então, eles estão tentando dizer a nós e aos nossos parceiros que haverá uma resposta talvez direta dos russos ou, como fazem normalmente, encarregar os iranianos de fazê-lo”, disse Walid Phares.
“Para nós, para os Estados Unidos, é muito importante começarmos com a coisa certa a fazer e pedir à comunidade de inteligência para ter um relatório detalhado desses ataques químicos para que possamos levá-lo ao Conselho de Segurança da ONU e então confrontar o mundo e diga-lhes "aconteceu".
“Espero que os russos tenham um veto. Uma vez que você tenha esse veto dos russos, então você tem a legitimidade para formar esta coalizão internacional e começar a ter estratégias lideradas pelos EUA".
“Não queremos engajar os russos diretamente porque, pelas regras de engajamento de qualquer nação militar, se você atacar seus militares, eles responderão”.
"Se você atacar seus aliados, o regime sírio ou os iranianos ou o Hezbollah, o que eles podem fazer é pedir a seus aliados que ataquem nossos aliados." 
Walther Alvarenga

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.