O Mundo Emigrante passa por aqui!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Urgente: Autoridades da Catalunha podem ser presas neste domingo.

Mariano Rajoy dá ultimato e fala da perda de autonomia da Catalunha
Espanha em clima de tensão com campanha de desobediência de separatistas   
Os separatistas da Catalunha estão planejando campanha de desobediência civil depois que Mariano Rajoy delineou planos duros para regra direta na região devastada pela crise.
Os partidários da independência estão irritados com a perda iminente do poder regional e planejaram uma grande manifestação em Barcelona neste domingo à noite  para "defender os direitos e as liberdades". 
Todos os principais líderes separatistas - que serão removidos do oficial sob a repressão de Rajoy -, bem como o prefeito de Barcelona, ​​Ada Colau, visto como moderado não alinhado, participarão da manifestação.
Separatistas catalães prometem novo enfrentamento com a polícia
O polêmico líder catalão Carles Puigdemont deverá fazer uma resposta formal às medidas do governo em um discurso durate as manifestações.
A reação provocou um aviso do procurador-geral da Espanha de que qualquer tentativa do primeiro-ministro regional de declarar a independência catalã seria tratada como "rebelião", que leva uma pena de prisão até 30 anos.
 Mas Marti Estruch, do conselho de diplomacia pública da Catalunha, disse que as ameaças seriam ignoradas. "Há milhares de gente pronta para resistir. Eles não podem nos colocar todos na prisão ", disse.
Companheiros ativistas prometeram que "muros de pessoas" impedirão que a Espanha ocupe as instituições catalãs.
Pepe Beunza, preso sob a ditadura de Franco, disse que conduziu "treinamento de resistência passiva" em preparação para a aquisição, mas teme que o conflito possa se tornar violento. 
"A violência é uma armadilha na qual não podemos dar o luxo de cair", adverte.Rajoy disse que o parlamento catalão não será dissolvido imediatamente, mas declarou que suas funções se limitarão a "evitar medidas contrárias à Constituição".
A repressão inclui a demissão de líderes catalães, incluindo o primeiro-ministro Carles Puigdemont e o parlamento local despojado de grande parte do seu poder. 
Madrid também pode implantar oficiais da Guardia Civil ou da Polícia Nacional para substituir a força policial local de Mossos d'Esquadra, que foi fortemente criticada por não ter interrompido o referendo proibido de 1º de outubro.
Walther Alvarenga

Nenhum comentário