O Mundo Emigrante passa por aqui!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vulcão de Bali provoca pânico e destruição. Turistas fogem da ilha.

Vulcão em erupção espalha cinzas e turistas querem deixar Bali 
Monte Agung entra em erupção, espalhando cinzas vulcânicas pela ilha.
Turistas estão em fuga de Bali desde que o vulcão do Monte Agung entrou em erupção, provocando pânico e tragédias. As companhias aéreas colocaram voos extra para Bali nesta quinta-feira, permitindo que alguns dos milhares de passageiros encalhados pela erupção possam sair.
O vento espalhou cinzas vulcânicas pela ilha. Agung foi parcialmente envolto por nuvens e Bali foi tomada pela chuva. Inclusive, de acordo com as autoridades locais, houve tremores persistentes da cratera vulcânica. 
No aeroporto de Bali o tumulto para encontrar voos
"O Monte Agung continua a entrar em erupção, ejetando cinzas vulcânicas com até 6.500 pés de altura", disse o vice-presidente da agência de mitigação de desastres da Indonésia, Sutopo Purwo Nugroho, via Twitter. 

A reabertura na tarde desta quarta-feira do aeroporto de Bali, que fica a 37 milhas de distância do Monte Agung, permitiu que turistas chegassem ao local a procura de voos, interrompendo as férias.  
Polícia resgata moradores de áreas de extremo perigo
Enquanto o aeroporto de Bali foi reaberto, após ficar fechado por dois dias, o aeroporto da vizinha ilha de Lombok foi fechado nesta quinta-feira devido a cinzas do Agung, disse o fornecedor de controle de tráfego aéreo AirNav. 

Perguntado sobre o impacto econômico da erupção do Monte Agung, o ministro indonésio do Turismo, Arif Yahya, estimou que a perda de receita poderia ser mais de US $ 650 milhões. 
Moradores são levados para abrigos. Situação crítica.
O Monte Agung aparece no leste de Bali até um nível de pouco mais de 9.800 pés. A última grande erupção em 1963 matou mais de mil pessoas e destruiu várias aldeias.

A agência de mitigação de desastres disse nesta quinta-feira que cerca de 43 mil pessoas se mudaram para abrigos, mas muitos moradores permanecem na área - cerca de 100 mil pessoas vivem na zona de perigo. 

Walther Alvarenga


Nenhum comentário