O Mundo Emigrante passa por aqui!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Confronto entre polícia e comerciantes na Feira da Madrugada preocupa religiosos

Comerciantes temem fechamento da Feira da Madrugada

Reintegração de posse decretada pela Justiça pode gerar pancadaria

O quadro é preocupante e a noite é de expectativa e de alerta para os lojistas e demais trabalhadores da Feira da Madrugada, no Pátio do Pari, em São Paulo, o maior circuito de compras do Estado. A reintegração de posse decretada pela Justiça para domingo, dia 25 de fevereiro, tem tirado a paz de comerciantes, que se mostram revoltados, afinal, desde 2005 todos estão no local, defendendo o seu pão de cada dia.

E o que se teme é que haja confronto – pancadaria , e que o enfrentamento entre policiais e comerciantes possa gerar ferimentos, colocando em risco a vida de inocentes. A Feira da Madrugada que recebe diariamente compradores de várias partes do Brasil, cerca de 30 mil pessoas, em busca de bons produtos – roupas, eletrônicos, brinquedos, etc –, pode estar com seus dias contados.


Famílias dependem da Feira para o sustento dos filhos
Com o possível fechamento da Feira da Madrugada, no Brás, serão oito mil desempregados. Famílias que vão deixar de ganhar o seu sustento, o que será lastimável. 

Grupos de orações estão reunidos, clamando para que haja consenso por parte das autoridades de São Paulo, inclusive do Prefeito João Doria, evitando uma catástrofe moral e física, o que irá comprometer a imagem do Brasil no exterior, perante a opinião pública. Os religiosos estão atentos.


Comerciantes e policiais hoje a tarde
É preciso dar um basta a tudo isso, e que prevaleça o diálogo, enfim, que a solução favoreça ambos os lados, e que os comerciantes não fiquem prejudicados.

Consenso com a polícia. Em contrapartida, é importante enfatizar que os policiais convocados para a ação de despejo são pais, chefes de famílias, e que cumprem ordens. E quando se fala de apaziguamento, diante de situação conflitante, é para que comerciante e polícia não sejam lesados. Que ninguém se machuque e que a Feira da Madrugada não se transforme em campo de guerra, o que seria um caos social.

Cada segundo representa uma eternidade diante do clima de incerteza e de medo, afinal, o que está por vir – caso não encontre solução pacífica e coerente –, pode originar violência, e ninguém quer isso. O que todos almejam de fato é trabalhar em paz, sem pressão ou provocações.

A Feira da Madrugada é um patrimônio conquistado pelos quatro mil lojistas, portanto, é preciso repensar a causa, sem entreguismos ou imposição de terceiros, pois o direito do cidadão trabalhador é soberano.

Portanto, não ao espancamento, não ao tiro ou quaisquer atos de inveracidade que possam incitar a tragédia. Em tempos de corrupção no Brasil, de gestos nanicos por parte dos governantes, dar a volta por cima, reconsiderar é um passo fundamental, acertado, para recolocar a dignidade nos trilhos. 

Walther Alvarenga    

Nenhum comentário