O Mundo Emigrante passa por aqui!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

“Casa dos horrores” no Japão escondia corpos de bebês. Caso assusta Tóquio.

Policiais e médicos surpresos com corpos de bebês escondidos em Tóquio

Corpos de bebês encontrados com cordão umbilical ainda anexados
Foi um susto para técnicos chamados para exterminar cupins em uma casa em Tóquio, no Japão. Os especialistas preparavam os procedimentos para utilizar um pulverizador quando descobriram vários corpos de bebês.

Os corpos preservados de bebês - alguns com cordões umbilicais ainda anexados - foram encontrados embaixo do assoalho da casa, que vem sendo chamada no Japão de “a casa dos horrores”. As idades dos bebês e quanto tempo eles estão na casa são desconhecidos. 
População de Tóquio alarmada com corpos de bebês encontrados

Segundo relatos da agência de notícias Kyodo, na capital japonesa, os exterminadores de cupins descobriram nesta segunda-feira garrafas, embaixo de tábuas do imóvel, com os corpos dos bebês.

A casa tem cerca de 80 anos e foi abandonada nos últimos três anos. Os bebês foram supostamente preservados em um líquido que se assemelhava a formalina, uma solução de água saturada.

Uma mistura desses produtos químicos é conhecida como fluido de embalsamamento e pode ser usada para preservar corpos de pessoas falecidas.Um casal de idosos, já falecido, que morava no imóvel - ambos obstetras e ginecologistas -, diz a polícia, poderiam ter comandado a matança dos bebês.

Uma senhora que comprou a casa recentemente, que está sendo reformada, foi quem contratou os técnicos para realizar a pulverização do imóvel para o extermínio de cupins. A polícia abriu investigação.

Os dados do governo japonês mostram que o número de bebês nascidos no Japão no ano passado caiu consideravelmente. Abortos clandestinos? Ninguém sabe o que realmente aconteceu na “casa dos horrores”.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde do Trabalho e do Bem-Estar, 941 mil bebês nasceram no país no ano passado - cerca de 36 mil menos do que em 2016.

Walther Alvarenga 


Nenhum comentário