O Mundo Emigrante passa por aqui!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Boston reativa Comissão de Direitos Humanos em defesa do imigrante

Atuação truculenta do ICE em Boston provoca medo e constrangimento
Medo de sair às ruas ou ir para o trabalho deixam indocumentados acuado

Devido às constantes “batidas” de agentes de Imigração em Massachusetts – seja em locais públicos ou rodovias, provocando medo e constrangimento aos residentes que ainda não se legalizaram no país – o prefeito de Boston, Martin J. Walsh,  anuncia que a cidade reativou a Comissão de Direitos Humanos, em proteção aos indocumentados.

Para que o leitor do BLOG tenha noção da gravidade da situação, têm brasileiros que deixam de ir ao trabalho temendo que os agentes do ICE – polícia de Imigração – possam interpelá-lo, levando-os à prisão e, possivelmente à deportação.


Este terrorismo psicológico entre os imigrantes sem documentos tem prejudicado a conduta das Comunidades em Boston, considerada “Cidade Santuária”, ou seja, onde a Imigração não pode prender ou perseguir imigrantes, mesmo sem documentos.
Prefeito de Boston, Martin J. Walsh, pede proteção aos indocumentados

A Comissão de Direitos Humanos de Boston foi criada por decreto-lei municipal em 1984 para garantir que todos os residentes recebam tratamento justo e igualitário de acordo com a lei.  A Comissão não atuava desde 1996.

Segundo autoridades de Boston, a Comissão será dirigida pelo Diretor Executivo Evandro Carvalho, um advogado que atuou por cinco anos como Representante do Estado na Assembleia Legislativa de Massachusetts, representando Boston.

As leis estaduais e federais, lembra o prefeito de Boston, fornecem proteções legais e determinam que determinados serviços básicos sejam fornecidos a todas as pessoas, independentemente de seu status de imigração.

A Comissão de Direitos Humanos é um órgão composto por sete membros nomeados pelo prefeito. Ela foi originalmente criada para receber e investigar denúncias de discriminação relacionada a locais de trabalho, moradia, crédito, educação, acomodações públicas e outras áreas.

Walther Alvarenga

Nenhum comentário